Compartilhar:

Swing…

Ménage à trois

              Esses dois termos andam bem difundidos ultimamente e novelas e mídia de forma geral, tentam passar discretamente a impressão de que são coisas modernas e que podem fazer parte do quotidiano normal da vida de um casal…

                  Mas será que isso é uma coisa boa de fato para um casal?

               Bom, vamos separar em primeiro lugar, casal de “casais”…

               Existe diferença entre ser um casal de namorados, casal de ficantes, casal marido e mulher…

             Todo tipo de prazer carnal é bom, aquele momento do clímax de uma relação sexual é sempre a melhor coisa do mundo, o sexo é algo motivador e é um combustível para um relacionamento ser duradouro pois o amor isolado, acaba muitas vezes se tornando algo como uma relação de amizade entre um homem e mulher,  daí é que nascem os desejos gritantes de “uma relação extraconjugal”.

               Casais de ficantes apenas, ” amizade colorida talvez”, não tem compromisso com um possível amadurecimento de sua relação, e muitas vezes dependendo de quão maduros psicologicamente são os parceiros eles transitam numa boa entre a amizade e o sexo sem aquelas cobranças chatas e os ciúmes que atormentam as relações normais. Então quando um casal assim assume o desejo de ir para uma casa de swing por pura curiosidade e tesão, certamente eles vão sair de lá com experiências pra vida toda e quando cada um for pro seu “canto”, ou tentarão levar isso para o próximo relacionamento mais sério, ou simplesmente vão guardar isso no seu passado escuro, aquele que ninguém deve saber, principalmente a pessoa que vai se ter o relacionamento “verdadeiro”, se não pode dar merda!

           Casais de namorados “oficiais” que optam por adentrar esse lado da vida, praticando swing, ménage e afins, possivelmente não chegarão a um casamento. Digo isso pois raramente um casal de namorados vai levar isso como algo comum entre ambos, e geralmente ao acontecer isso, foi mais por que um deles desejava ardentemente a experiência e para “satisfazer” ou realizar o sonho do outro, um cedeu e ambos foram, mas a culpa e o ciúme certamente vai carregar sentimentos negativos ao longo do tempo, o que certamente vai acarretar numa separação antes de um possível casamento. ( Lembrando que toda regra há exceção… )

              Casais de fato, marido e mulher que optam por manter um relacionamento aberto, onde há troca de casais, ménage, swing, raramente isso acontece não sendo pelo fato de que a monotonia os levou a tal, e sinceramente, admitindo isso ou não, quando um casal escolhe abrir o relacionamento para “melhorar” as coisas, é mais do que certo de que esse casamento já acabou faz tempo. Normalmente, um dos lados cedeu para “abrir” o casamento por receio de perder o outro, ou o outro e os bens que obtiveram ao logo do casamento, ( filhos contam nisso ).

             Num casamento onde há uma troca de casais, ménage e ou swing e afins, pode-se até de-repente dar aquelas entrevistas com luz escura pra não mostrar o rosto e dizer: _Foi a melhor coisa do mundo! _Agora encontramos o verdadeiro prazer e somos muuuuito mais felizes! Pode falar que está sendo maravilhoso, que a cumplicidade aumentou, e hoje tudo é um mar de maravilhas entre o casal, mas lá no fundo só um é que curte com 100% de prazer e deseja que aquilo nunca tenha fim…

               Isso porque o ser humano não foi criado como os animais, o ser humano plenamente feliz é aquele que encontra um grande e verdadeiro amor e então fecha o circulo como uma verdadeira aliança e não há espaço para um terceiro, ou vários terceiros…Casais que decidem espontaneamente, viver um casamento aberto, lá no fundo sabem que seu casamento está fadado ao termino cedo ou tarde. Uma hora um dos lados vai se cansar da promiscuidade e querer voltar ao princípio onde o sonho era de um casamento feliz e fechado. Daí vai haver lembranças doloridas de um passado onde culpas e ressentimentos vai soprar em mentes tempestuosas e sem paz. ( Mais uma vez repito, toda regra há exceção. Mas também digo que pessoas que vivem no extremo de tudo, podem ter distúrbios de ordem psicológica/moral/social e mesmo que nunca admitam, isso um dia pode ser sua ruína! )

                Por mais supostamente modernos que sejamos, por mais que tenhamos mentes super abertas, e hoje falamos em alto e bom som para todos que _ Wow! Eu vivo uma vida plena e blá blá blá. Tudo isso é fase.

                  Sou da opinião de que no tempo certo devemos viver intensamente o que tivermos de viver, mas após entrar num casamento, deveríamos ter plena consciência de que devemos fazer isso com a pessoa que temos o maior tesão da vida, o maior amor da vida, a química perfeita, ( aquela que a mulher fica molhada ao ver seu homem e ele de pau duro ao ver sua mulher). Quando o casamento segue nessas condições, não haverá porque  num belo dia, alguém pensar em abrir o casamento para aquilo que será a destruição do mesmo, mesmo que hoje pareça que não é, um dia será!

Abraço forte e reconfortante a todos, inclusive pra aquele/a que vai ler, ficar bravinho e me xingar!

Mas não estou nem aí!

 

HC de Souza

 

 

 

 

 

 

Compartilhar: